Autor
Reginaldo Prandi ; Pedro Rafael
Editora
Companhia das Letras
Assunto
Ciências Humanas
Ano
2001
Páginas
592
ISBN-13
9788535900644
Edição

Mitologia dos orixás

Mitologia dos orixás, do sociólogo Reginaldo Prandi, é a mais completa coleção de mitos da religião dos orixás já reunida em todo o mundo. São 301 relatos mitológicos, histórias que contam, por meio de imagens concretas e não de idéias abstratas, como são, o que fazem, o que querem e o que prometem os deuses desse riquíssimo panteão africano que sobreviveu e prosperou em países da América - em particular no Brasil e em Cuba - e que nos últimos anos tem sido exportado para a Europa. Na sociedade tradicional dos iorubás, é pelo mito que se alcança o passado, se interpreta o presente e se prediz o futuro. Cada mito, portanto, é uma surpresa sempre renovada, um segredo revelado que jamais se deixa desvendar completamente. Ao narrar episódios em que se envolveram deuses como Exu, Ogum, Iemanjá e Iansã, Mitologia dos orixás chama a nossa atenção para sentidos vitais profundos e nos aproxima do vasto patrimônio cultural dos negros iorubás ou nagôs. O livro é ricamente ilustrado, com fotos coloridas de todos os orixás que se manifestam em cerimônias do candomblé no Brasil e ilustrações do artista plástico Pedro Rafael.
Tabela de conteúdo
pág. capítulo
1 Sumário
17 Prólogo
Exu — Legba — Eleguá — Bará
40 Exu ganha o poder sobre as encruzilhadas
42 Exu respeita o tabu e é feito o decano dos orixás
44 Exu ajuda Olofim na criação do mundo
45 Exu come tudo e ganha o privilégio de comer primeiro
47 Exu põe fogo na casa e vira rei
48 Eleguá guarda o portão de Aganju
48 Exu leva dois amigos a uma luta de morte
49 Legba carrega uma panela que se transforma em sua cabeça
51 Exu ajuda um homem a trapacear
52 Exu promove uma guerra em família
53 Eleguá ganha a primazia nas oferendas
54 Bará aprende a trabalhar com Ogum
55 Exu vinga-se por causa de ebó feito com displicência
56 Eleguá espanta a clientela das adivinhas
57 Exu recebe ebó e salva um homem doente
58 Exu provoca a ruína da vendedora do mercado
59 Exu come antes dos demais na festa de Iemanjá
60 Eleguá ajuda Orunmilá a ganhar o cargo de adivinho
61 Exu tenta trocar a morada dos deuses
63 Exu corta o nariz do artesão que não fez o ebó prometido
65 Exu não consegue vencer a Morte
66 Exu atrapalha-se com as palavras
68 Exu põe Orunmilá em perigo e depois o salva
70 Exu instaura o conflito entre Iemanjá, Oiá e Oxum
73 Elegbara devora até a própria mãe
75 Exu provoca a rivalidade entre duas esposas
76 Exu torna-se o amigo predileto de Orunmilá
78 Exu leva aos homens o oráculo de Ifá
81 Exu ajuda um mendigo a enriquecer
82 Exu vinga-se e exige o privilégio das primeiras homenagens
Ogum
86 Ogum dá aos homens o segredo do ferro
88 Ogum torna-se rei de Irê
89 Ogum mata seus súditos e é transformado em orixá
91 Ogum faz instrumentos agrícolas para Oxaguiã
93 Ogum repudia Oiá por causa de Xangô
94 Ogum é castigado por incesto a viver nas estradas
95 Ogum cria a forja
96 Ogum faz ebó e se torna uma potência
97 Ogum reconquista o amor de Oxum
98 Ogum recompensa a generosidade da vendedora de acaçá
98 Ogum ensina aos homens as artes da agricultura
99 Ogum trai o pai e deita-se com a mãe
101 Ogum livra um pobre de seus exploradores
102 Ogum chama a Morte para ajudá-lo numa aposta com Xangô
103 Ogum livra Oxum da fome imposta por Xangô
105 Ogum violenta e maltrata as mulheres
106 Ogum conquista para os homens o poder das mulheres
108 Ogum cria a Terra
109 Ogum recusa a coroa de Ifé
Oxóssi — Odé
112 Oxóssi aprende com Ogum a arte da caça
113 Oxóssi mata o pássaro das feiticeiras
114 Odé desrespeita proibição ritual e morre
116 Oxóssi ganha de Orunmilá a cidade de Queto
116 Oxóssi mata a mãe com uma flechada
118 Oxóssi desobedece a Obatalá e não consegue mais caçar
119 Oxóssi quebra o tabu e é paralisado com seu arco e flecha
120 Oxóssi é raptado por Ossaim
122 Odé mata o irmão que trai os seus segredos
125 Oxóssi é feito rei de Queto por Oxum
Erinlé — Inlé — Ibualama
128 Erinlé transforma-se em rio e encontra Oxum
130 Erinlé tem a língua cortada por Iemanjá
131 Erinlé é acusado de roubar cabras e ovelhas
132 Erinlé é chamado Ibualama
Logum Edé
136 Logum Edé nasce de Oxum e Erinlé
137 Logum Edé é salvo das águas
138 Logum Edé devolve a visão a Erinlé
139 Logum Edé rouba segredos de Oxalá
140 Logum Edé é possuído por Oxóssi
Otim
144 Otim esconde que nasceu com quatro seios
147 Otim aprende a caçar com Oxóssi
Ossaim
152 Ossaim recusa-se a cortar as ervas miraculosas
153 Ossaim dá uma folha para cada orixá
154 Ossaim cobra por todas as curas que realiza
156 Ossaim imita um pássaro e casa com a filha do rei
156 Ossaim vinga-se dos pais por o deixarem nu
158 Ossaim vem dançar na festa dos homens
159 Ossaim tem as suas oferendas rejeitadas por Orunmilá
160 Ossaim é mutilado por Orunmilá
Iroco
164 Iroco castiga a mãe que não lhe dá o filho prometido
168 Iroco ajuda a feiticeira a vingar o filho morto
169 Iroco engole a devota que não cumpre a interdição sexual
Orixá Ocô
174 Orixá Ocô cria a agricultura com a ajuda de Ogum
176 Orixá Ocô é condenado a trabalhar a terra
177 Orixá Ocô é expulso de seu reino
179 Orixá Ocô tira joias da barriga de suas caças
180 Orixá Ocô julga os praticantes de feitiçaria
181 Orixá Ocô recebe de Obatalá o poder sobre as plantações
181 Orixá Ocô desaparece e deixa o cajado em seu lugar
Orô
186 Orô é traído pela mulher e se afasta do mundo
187 Orô assusta o povo com seus gritos
Oquê
192 Oquê surge do fundo do mar
193 Oquê salva seus súditos dos invasores
Nanã
196 Nanã fornece a lama para a modelagem do homem
197 Nanã esconde o filho feio e exibe o filho belo
198 Nanã tem um filho com Oxalufã
200 Nanã proíbe instrumentos de metal no seu culto
Obaluaê — Omulu — Xapanã — Sapatá
204 Obaluaê desobedece à mãe e é castigado com a varíola
204 Omulu cura todos da peste e é chamado Obaluaê
206 Obaluaê tem as feridas transformadas em pipoca por Iansã
207 Obaluaê conquista o Daomé
209 Xapanã ganha o segredo da peste na partilha dos poderes
210 Sapatá se esquece de trazer água para a Terra
212 Sapatá é proibido de viver junto com os outros orixás
215 Omulu ganha as pérolas de Iemanjá
216 Xapanã é proclamado o Senhor da Terra
218 Obaluaê morre e é ressuscitado a pedido de Oxum
219 Xapanã ganha seu culto entre os iorubás
220 Sapatá torna-se rei na terra dos jejes
Oxumarê
224 Oxumarê desenha o arco-íris no céu para estancar a chuva
225 Oxumarê fica rico e respeitado
226 Oxumarê transforma-se em cobra para escapar de Xangô
227 Oxumarê usurpa a coroa de sua mãe Nanã
228 Oxumarê é morto por Xangô
Euá
232 Euá transforma-se numa fonte e sacia a sede dos filhos
233 Euá transforma-se na névoa
235 Euá livra Orunmilá da perseguição da Morte
236 Euá casa-se com Oxumarê
237 Euá é expulsa de casa e vai viver no cemitério
238 Euá é escondida por seu irmão Oxumarê
239 Euá é presa no formigueiro por Omulu
240 Euá atemoriza Xangô no cemitério
241 Euá se desilude com Xangô e abandona o mundo dos vivos
Xangô
244 Xangô é escolhido rei de Oió
245 Xangô é reconhecido como o orixá da justiça
246 Xangô torna-se rei de Cossô
247 Xangô é reconhecido por Aganju como seu filho legítimo
248 Xangô rouba Iansã de Ogum
249 Xangô ordena que primeiro saúdem seu irmão mais velho
249 Xangô faz oferendas e vence os inimigos
250 Xangô mata o monstro e lança chamas pela boca
251 Xangô foge de seus perseguidores vestido de mulher
252 Xangô cai no fogo e brinca com as brasas
253 Xangô foge de Oiá com a ajuda de Oxum
254 Xangô é vencido pelo Carneiro
254 Xangô usurpa a coroa de Ogum
255 Xangô seduz o povo e usurpa o trono de Ogum
256 Xangô é salvo por Oiá da perseguição dos eguns
257 Xangô ensina ao homem como fazer fogo para cozinhar
258 Xangô seduz a mãe adotiva
259 Xangô usa vários nomes para escapar de Iemanjá
260 Xangô e suas esposas transformam-se em orixás
261 Xangô ganha o colar vermelho e branco
262 Xangô mata o touro com seu machado duplo
263 Xangô dá a Obaluaê os cães de Ogum
264 Xangô conquista Iansã na guerra contra Ogum
265 Xangô incendeia sua cidade acidentalmente
267 Xangô é visitado pelos quinze odus e acaba ficando rico
270 Xangô oferece mil riquezas a Oxum
271 Xangô conquista pela força o amor de Iansã
271 Xangô depende de Iansã para ganhar a guerra
272 Xangô conquista a terra dos malês
273 Xangô vence Exu e conquista Oxum
274 Xangô deixa de comer carne de porco em honra dos malês
276 Xangô encanta-se juntamente com Iansã e Oxum
276 Xangô é proibido de participar do culto dos eguns
277 Xangô é destronado e se torna um orixá
279 Xangô é rejeitado por seus súditos
279 Xangô é condenado por Oxalá a comer como os escravos
281 Xangô torna-se o quarto rei de Oió
284 Xangô tem seu culto organizado pelos doze obás
286 Xangô vence Ogum na pedreira
287 Xangô deixa a velha Obá e encontra Oxum
Oiá — Iansã
294 Oiá recebe o nome de Iansã, mãe dos nove filhos
295 Oiá nasce na casa de Oxum
296 Iansã ganha seus atributos de seus amantes
297 Oiá transforma-se num búfalo
299 Iansã proíbe Xangô de comer carneiro perto dela
300 Iansã é traída pelo Carneiro
301 Iansã foge ligeira e transforma-se no vento
301 Oiá cria o rio dum pedaço de pano preto
302 Oiá transforma-se no rio Níger
302 Oiá transforma-se num elefante
303 Oiá sopra a forja de Ogum e cria o vento e a tempestade
304 Oiá transforma-se em coral
305 Oiá é dividida em nove partes
306 Oiá liberta Xangô da prisão usando o raio
307 Oiá é disputada por Xangô e Ogum
308 Oiá usa a poção de Xangô para cuspir fogo
308 Oiá ganha de Obaluaê o reino dos mortos
309 Oiá dá à luz Egungum
309 Oiá toca o fole de Ogum para os egunguns dançarem
310 Oiá inventa o rito funerário do axexê
Obá
314 Obá é possuída por Ogum
314 Obá corta a orelha induzida por Oxum
316 Obá provoca a morte do cavalo de Xangô
Oxum
320 Oxum é concebida por Iemanjá e Orunmilá
321 Oxum dança para Ogum na floresta e o traz de volta à forja
323 Oxum Apará tem inveja de Oiá
325 Oxum seduz Iansã
326 Oxum Navezuarina cega seus raptores
327 Oxum mata o caçador e transforma-se num peixe
329 Oxum transforma sangue menstrual em penas de papagaio
332 Oxum transforma-se em pombo
333 Oxum recupera o báculo de Orixalá que Iansã joga no mar
334 Oxum exige a filha do rei em sacrifício
335 Oxum fica pobre por amor a Xangô
337 Oxum deita-se com Exu para aprender o jogo de búzios
339 Oxum leva ebó ao Orum e salva a Terra da seca
340 Oxum nasce de Iemanjá e é curada por Ogum
341 Oxum é transformada em pavão e abutre
343 Oxum faz ebó e mata os invasores do seu reino
344 Oxum difama Oxalá e ele a faz rica para se livrar dela
345 Oxum faz as mulheres estéreis em represália aos homens
Iá Mi Oxorongá
348 Iá Mi chegam ao mundo com seus pássaros maléficos
351 Iá Mi são enganadas por Orunmilá
352 Iá Mi usam proibições para aprisionar os imprudentes
354 Iá Mi propõem enigma a Orunmilá
356 Iá Mi fazem um pacto com Orunmilá
357 Iá Mi reconhece o poder dos homens sobre o poder feminino
360 Iá Mi perseguem Orixalá pelo roubo da água
362 Iá Mi Odu torna-se esposa de Orunmilá
364 Iá Mi Odu fica velha e morre
Ibejis
368 Os Ibejis nascem de Oiá e são criados por Oxum
369 Os Ibejis são transformados numa estatueta
369 Os Ibejis brigam por causa do terceiro irmão
371 Os Ibejis nascem como abicus mandados pelos macacos
373 Os Ibejis brincam e põem fogo na casa
374 Os Ibejis encontram água e salvam a cidade
375 Os Ibejis enganam a Morte
Iemanjá
380 Iemanjá ajuda Olodumare na criação do mundo
382 Iemanjá é violentada pelo filho e dá à luz os orixás
383 Iemanjá foge de Oquerê e corre para o mar
385 Iemanjá dá à luz as estrelas, as nuvens e os orixás
386 Iemanjá vinga seu filho e destrói a primeira humanidade
387 Iemanjá joga búzios na ausência de Orunmilá
388 Iemanjá é nomeada protetora das cabeças
388 Iemanjá trai seu marido Ogum com Aiê
389 Iemanjá finge-se de morta para enganar Ogum
390 Iemanjá afoga seus amantes no mar
391 Iemanjá salva o Sol de extinguir-se
392 Iemanjá irrita-se com a sujeira que os homens lançam ao mar
393 Iemanjá atemoriza seu filho Xangô
394 Iemanjá oferece o sacrifício errado a Oxum
395 Iemanjá mostra aos homens o seu poder sobre as águas
395 Iemanjá seduz seu filho Xangô
396 Iemanjá tem seu poder sobre o mar confirmado por Obatalá
397 Iemanjá cura Oxalá e ganha o poder sobre as cabeças
Olocum
402 Olocum acolhe todos os rios e torna-se a rainha das águas
403 Olocum mostra sua força destruidora
405 Olocum isola-se no fundo do oceano
405 Olocum perde uma disputa para Oxalá
Onilé
410 Onilé ganha o governo da Terra
Ajê Xalugá
418 Ajê Xalugá cega os homens e também perde a visão
419 Ajê Xalugá faz seu amado próspero e rico
Odudua
424 Odudua briga com Obatalá e o Céu e a Terra se separam
425 Odudua cai na armadilha que ele mesmo prepara para Oxalá
428 Odudua é encarregado de dotar os homens de cabeça
428 Odudua constrói um abrigo para seu amado caçador
Oraniã
432 Oraniã nasce negro e branco e tem dois pais
433 Oraniã cria a Terra
434 Oraniã traz Oquê, a Montanha, do fundo do mar
435 Oraniã é invocado para salvar sua cidade e mata seus súditos
Orunmilá — Ifá
442 Orunmilá institui o oráculo
445 Ifá dá ao feiticeiro as lendas da adivinhação
446 Orunmilá traz a festa como dádiva de Olodumare
447 Orunmilá aprende o segredo da fabricação dos homens
447 Ifá nasce como menino mudo
448 Orunmilá ludibria Oxalá com a ajuda de Exu
450 Orunmilá trava longa contenda com seu escravo Ossaim
452 Orunmilá engana Oxalá e Odudua e faz a paz na Terra
453 Orunmilá recebe o título de Senhor do Mundo
453 Orunmilá dá o alimento à humanidade
455 Orunmilá é escondido de seus perseguidores por uma aranha
456 Orunmilá disputa com seu escravo quem é o melhor adivinho
458 Orunmilá desposa a filha de Olocum
460 Orunmilá prefere a Paciência à Discórdia e à Riqueza
461 Orunmilá reconhece seu filho com Iemanjá
462 Orunmilá é enganado por Exu mas termina vencedor
463 Orunmilá proíbe o sacrifício de seres humanos
465 Orunmilá conquista a mais linda donzela
466 Orunmilá recebe de Obatalá o cargo de babalaô
Ajalá
470 Ajalá modela a cabeça do homem
471 Ajalá faz as cabeças de três amigos
Ori
476 Ori faz o que os orixás não fazem
481 Ori vence os orixás numa disputa
483 Ori decide não nascer de novo
484 Ori livra Orunmilá de ameaças
Oxaguiã — Ajagunã
488 Oxaguiã inventa o pilão
489 Ajagunã ganha uma cabeça nova
491 Oxaguiã manda libertar o amigo preso injustamente
493 Ajagunã instaura o reino da discórdia e promove o progresso
494 Oxaguiã devolve o sexo aos homens
496 Ajagunã destrói palácios para o povo trabalhar
498 Oxaguiã encontra Iemanjá e lhe dá um filho
Oxalá — Obatalá — Orixanlá — Oxalufã
502 Orixanlá cria a Terra
503 Obatalá cria o homem
506 Obatalá cria Icu, a Morte
507 Obatalá provoca a inveja e é feito em mil pedaços
508 Obatalá fere acidentalmente sua esposa Iemu
509 Orixalá guarda de lembrança uma pena de Ecodidé
510 Oxalá salva seus filhos com a ajuda de Orunmilá
511 Oxalá cria a galinha-d’angola e espanta a Morte
512 Oxalá é proibido de consumir sal
513 Oxalá é feito albino por Exu
514 Obatalá separa o Céu da Terra
516 Obatalá rouba o pescador cego
517 Oxalá expulsa o filho chamado Dinheiro
518 Orixalá ganha o mel de Odé
519 Oxalufã é banhado com água fresca e limpa ao sair da prisão
522 Obatalá usa a coroa de ecodidé e é chamado rei dos orixás
524 Epílogo
529 Notas bibliográficas e comentários
563 Glossário
571 Índice onomástico
575 Índice e créditos das fotos
584 Fontes etnográficas escritas
591 Sobre o autor

GUEST IP: 18.208.186.139 Suporte FAQ Política de Privacidade
© 2016 Dot.Lib | Todos os direitos reservados | Todos los derechos reservados | All rights reserved dot.lib